EPILEPSIA E TRATAMENTO
Recomende esta página a um amigo Imprimir

O tratamento das epilepsias é feito através de medicamentos que evitam as descargas elétricas cerebrais anormais, que são a origem das crises epilépticas.

Você deve lembrar que os medicamentos para as crises não tem efeito imediato.Portanto não adianta usar o medicamento só por ocasião das crises ou sem acompanhamento médico.

O tratamento costuma ser longo e implica em muita força de vontade do paciente, a fim de ser chegar ao controle das crises.

Os medicamentos normalmente necessitam ser ingeridos a cada 8,12 ou 24 horas, dependendo da medicação prescrita. Tomar os medicamentos na quantidade e na hora indicada pelo médico é um dos passos importantes para obter sucesso no tratamento.

A consulta periódica ao médico permite que a quantidade de medicamentos seja ajustada a necessidade individual, além de possibilitar a identificação de fatores que possam estar contribuindo para o aumento das crises (fatores desencadeantes), e também para a verificação dos efeitos colaterais que às vezes aparecem com o uso dos medicamentos. Esses efeitos não costumam interferir nas atividades diárias, mas, caso isso ocorra, é necessário a orientação médica.

É importante lembrar que a falta de controle das crises epilépticas pode ocorrer porque as pessoas esquecem de tomar os medicamentos, ou suspendem o remédio abruptamente sem orientação médica, ou outras vezes podem estar fazendo a "experiência" de parar o medicamento imaginando-se já curadas. Essas condutas geralmentes levam ao fracasso do tratamento.

Por fim, colocamos aqui algumas regras importantes para o sucesso do tratamento:

  • Consulte seu médico periodicamente (a cada 2 ou 3 meses);
  • Tome seus remédios nos horários e quantidades prescritas pelo médico;
  • Evite esquecer de tomar os remédios , mas caso isso ocorra tome assim que lembrar ( se isso ocorrer 1 ou 2 horas após o horário indicado);
  • Não dobre a dose no horário seguinte caso tenha esquecido de tomar no horário anterior;
  • Tenha cuidado com o uso de bebidas alcoólicas, pois o àlcool pode facilitar a ocorrência de crises;
  • Procure dormir o suficiente e fazer suas refeições em horários regulares;
  • Verifique se existe algum fator que facilite a ocorrência de suas crises. Anote e conte ao seu médico;
  • Anote suas dúvidas a respeito das epilepsias e seu tratamento e converse com seu médico ou com a equipe que te acompanha;
  • Caso apresente qualquer queixa que julgue estar relacionada com o uso dos medicamentos, converse com seu médico.

Efeitos adversos das drogas epilépticas

Todos os medicamentos (não só os utilizados no tratamento das epilepsias) podem causar efeitos colaterais. Esses efeitos costumam ser leves e desaparecerem em seguida. Quais são esses efeitos?

Medicações (Princípio Ativo)
Efeitos Adversos
Fenobarbital Sonolência.
Fenitoína Aumento da gengiva, crescimento de pêlos.
Valproto Náuseas, vômitos, aumento de peso.
Carbamazepina Tonturas, sonolência, mal estar gástrico.
Lamotrigina Tonturas, problemas de pele.
Vigabatrina Agitação, irritabilidade.
Topiranomato Sonolência, adormecimento das extremidades.
Benzodiazepinas Sonolência, aumento da secreção brônquica.
Oxicarbazepina Sonolência, tonturas.

Verifique se o que você está sentindo realmente pode ser devido ao uso da medicação, ou se há outro evento que justifique seus sintomas. Procure seu médico se esses efeitos persistirem para que se estabeleça a relação de causalidade entre o surgimento do sintoma e o uso da medicação.

Não suspenda ou altere a dose do medicamento sem conversar com seu médico.

Pode ocorrer interferência da ação dos medicamentos entre si, antiepiléticos ou não. O uso de qualquer medicamentos deve ser feito apenas com orientação médica.

Lembre-se nem tudo o que você sente de estranho é efeito adverso dos medicamentos.

 
ABE - Associação Brasileira de Epilepsia | Todos os direitos reservados ®
Melhor visualizado em resolução 800 x 600
Última atualização, 25.04.2005 por WebSaúde